Como entender a penitência como virtude?

A importância da vivência da penitência para a vida de um cristão.

A virtude da penitência inclina a pessoa a reparar os próprios pecados, é uma dor interior por conta do pecado cometido, uma forma de penitência interior, que nos faz crescer na interioridade.

O que é a penitência interior?

“A penitência interior é uma reorientação radical de toda a vida, um regresso, uma conversão a Deus de todo o nosso coração, uma ruptura com o pecado, uma aversão ao mal, com repugnância pelas más ações que cometemos. Ao mesmo tempo, implica o desejo e o propósito de mudar de vida, com a esperança da misericórdia divina e a confiança na ajuda da sua graça” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1431).

A penitência como virtude nos leva ao sacramento da penitência. A experiência da conversão dos atos, expressas na Confissão, está diretamente ligado à sinceridade na vivência da Penitência interior, fruto da graça de Deus. “A conversão é, antes de mais, obra da graça de Deus, a qual faz com que os nossos corações se voltem para Ele: ‘Convertei-nos, Senhor, e seremos convertidos’ (Lm 5,21). Deus é quem nos dá a coragem de começar de novo.” (Catecismo da Igreja Católica, 1432).

Da penitência interior à penitência exterior

A conversão do coração frutifica em obras que trabalham em nós a desordem causada pelo pecado. Dessas obras, destacam-se a oração, o jejum e a esmola. É curioso perceber que também a atitude de rezar é um ato de penitência. Em suma, a oração é fruto do empenho de nossas faculdades espirituais, tanto a inteligência, quanto a vontade e a memória, para nos aproximarmos de Deus de forma íntima.

Hugo de São Vitor, em sua definição, ajuda-nos a compreender um pouco melhor essas faculdades que entram em ação na oração:

“À memória atribuímos tudo aquilo que sabemos, ainda que nelas não pensemos. À inteligência atribuímos tudo aquilo que encontramos cogitando, o que também confiamos à memória; à vontade, tudo aquilo que é conhecido e inteligido e que, intensamente, desejamos por ser bom e verdadeiro”. (Textos notáveis sobre a memória, n. 20).

Outra forma de penitência, não restrito aos dias de Quaresma, é o jejum e a abstinência de carne (cf. Código de Direito Canônico, cân. 1251). Uma nota, no mesmo cânon, explica que o episcopado brasileiro comuta a abstinência, nas sextas-feiras do ano, exceto na Sexta-feira Santa, em outras formas de penitência. Seja tirando algo que você gosta muito, seja acrescentando algo que você não goste ou tenha dificuldade de realizar. Isso o ajudará a fugir da tendência que o leva a escolher apenas coisas prazerosas, e não permitirá que você esqueça o dia penitencial.

A outra forma é a esmola. Essa resulta da boa vivência da oração e do jejum, porque é a manifestação concreta do que as duas primeiras formas de penitência realizaram em nós. Por exemplo, se eu tirei algo, esse algo eu devo dar a alguém que necessite.

Que o Bom Deus nos abençoe! 
Por hoje é só!

Fonte: Canção Nova

11

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: