A fofoca é um pecado grave ?

Muitos tendem a considerar a popular “fofoca” como uma falta leve, um “pecadinho” de nada. Falar mal dos outros se tornou um hábito tão comum, que chega a parecer algo normal. Mas, será isso mesmo? Os pecados da língua são realmente tão inofensivos quanto se pensa? Vem aprender mais um pouco com a gente!

Recentemente, o Papa Francisco dedicou a sua tradicional reflexão antes do Angelus à “fofoca” (chiacchiere, em italiano) [1]. Embora muitos a negligenciem como um “pecadinho”, a doutrina moral da Igreja ensina que, objetivamente, se trata de um pecado grave – parvidade de matéria à parte.

A “fofoca”, em termos técnicos, abrange dois pecados: o da maledicência e o da murmuração.

O primeiro, a maledicência, consiste em revelar os pecados e defeitos de outrem para ferir a sua fama. Pode até ser que o que se fala a respeito do próximo não seja inventado – o que seria uma calúnia –, mas, ainda assim, trata-se de um pecado grave. Ensina Santo Tomás de Aquino que “privar a outrem de sua reputação é muito grave, porque a reputação é o mais precioso entre os bens temporais e, com a sua falta, o homem se acha na impossibilidade de praticar muitos bens” [2]. Diz, ainda, o Catecismo da Igreja Católica que “a maledicência e a calúnia ferem as virtudes da justiça e da caridade” [3]. Por isso, ainda que as pessoas cometam erros e faltas, importa que os cubramos com um véu de caridade, assim como os filhos de Noé cobriram a nudez de seu pai, no Antigo Testamento (cf. Gn 9, 23).

É lícito, quando se tem uma grave razão, revelar as faltas de alguém. É o caso dos políticos, que se submetem à apreciação pública, quando o que fazem afeta o bem comum ou compromete o desempenho do cargo que exercem ou virão a exercer.

O segundo, a murmuração, consiste em revelar os pecados e defeitos de outrem para destruir uma amizade. Por esse fim, Santo Tomás ensina que a murmuração é muito pior que a maledicência, posto que a amizade é um bem muito maior que a boa fama: “Um amigo é o mais precioso entre os bens exteriores” [4]. Aqui, novamente, a menos que haja uma razão para salvar o próximo dos malefícios praticados por outrem, está a se falar de um pecado grave.

Portanto, seja para falar, seja para calar, é preciso conduzir-se pela caridade, “que é o vínculo da perfeição” (Cl 3, 14).

Esperamos que tenha gostado.

Tem dica de algum tema? Dúvida sobre algum assunto? Entre em contato com a gente e quem sabe a sua sugestão ou dúvida não apareça por aqui.

Até a próxima!

Referências

[1] Angelus, 16 de fevereiro de 2014

[2] Suma Teológica, II-II, q. 73, a. 2

[3] Catecismo da Igreja Católica, § 2479

[4] Suma Teológica, II-II, q. 74, a. 2

Fonte: Padre Paulo Ricardo

11

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: