O primeiro passo para começar a rezar

É de muita importância e necessário para nossa vida espiritual a vida de oração. Por isso hoje trouxemos aqui um texto muito interessante sobre o assunto.

O primeiro passo para começar a rezar

Toda oração é um relacionamento entre a nossa miséria e a misericórdia de Deus. Rezar não é simplesmente mexer os lábios, mas encontrar-se com uma Pessoa. Descubra qual o primeiro passo para começar a ter vida de oração, a partir da lição do Senhor: “Tu, quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai que está no escondido” (Mt 6, 6).

I. A oração é um encontro…

Após termos considerado a importância e a necessidade da prece cristã, devemo-nos ocupar agora da prática concreta da oração. Por isso, é preciso saber, em primeiro lugar, de que maneira convém começar a orar. Antes de mais, porém, deve-se ter presente que a oração, se feita de modo autêntico, não é senão um encontro, o que supõe, naturalmente, pelo menos duas presenças: a de quem ora e a de Deus. É isto o que o Senhor nos revela, pouco depois de haver ensinado o Pai-nosso, ao dizer às multidões que O ouviam ao pé da montanha: “Tu, quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai que está no escondido” (Mt 6, 6). Este “orare Patrem in abscondito” consiste, portanto, em falar a Deus no segredo e na intimidade do nosso coração. Mesmo quando feita em comunidade — em família ou na igreja —, a verdadeira prece do cristão deve ter sempre essa nota de “solidão com Deus”, ou seja, de encontro íntimo e pessoal com Aquele “a quem falamos ao rezarmos e a quem ouvimos ao lermos os divinos oráculos”. Esta advertência para a presença de Deus é tão essencial à nossa oração que os Padres espirituais da Igreja chegavam a insistir na necessidade de nos lembrarmos dEle com mais frequência do que respiramos (cf. CIC 2697).

II. entre a nossa miséria e a Misericórdia

Disto decorre que, antes mesmo de começarmos a rezar, precisamos encontrar-nos com a nossa miséria para só então, cientes de nossa indignidade, nos encontrarmos com a misericórdia de Deus. Santa Teresa d’Ávila refere-se à conveniência deste recolhimento interior ao escrever às suas monjas que “a primeira coisa a fazer” antes de iniciarmos nossa oração “é o exame de consciência”, quer dizer, a consideração sincera de como nos achamos física, afetiva e, sobretudo, espiritualmente — nossos pecados, imperfeições, infidelidades etc. —, pois se fugirmos à verdade sobre nós não poderemos pôr-nos diante dAquele que é a própria Verdade (cf. Jo 14, 6). Assim, quando nos houvermos recolhido o suficiente, temos de procurar ter conosco a companhia do Mestre que quer ensinar-nos a falar-lhe com franqueza e confiança; neste momento, convém fazer algum ato preparatório, presente nas diversas coletâneas de orações que por aí circulam, a fim de avivarmos nossa fé na presença viva do Senhor. “Representai”, conclui Santa Teresa, “que tendes o próprio Senhor junto de vós e vede com que amor e humildade Ele vos ensina; e, acreditai-me, enquanto puderdes, não fiqueis sem tão bom amigo”.

III. O recolhimento já é oração

Este recolhimento de que falamos acima já pode, com propriedade, ser chamado oração. Sem ele, por muito que mexamos os lábios, não poderemos orar verdadeiramente: será, no máximo, ruído, um chacoalhar de latas, coisa a que de forma nenhuma poderíamos chamar oração. Isto porque é apenas por meio do recolhimento que o homem se coloca em situação de relacionar-se de forma genuinamente humana com os demais e, acima de tudo, com Deus. Pois o recolhimento “confia à oração uma alma unificada”, reunida em si mesma e desperta para o Tu divino. “É, em suma, o estado em que é possível dizer, na expressão das Sagradas Escrituras: Eis-me aqui!” (cf. 1Sm 3, 4-8). Por isso, o homem que ora de modo recolhido pode dizer: “Deus está aqui, e eu também estou”. É a partir desse encontro, feito no silêncio e no escondido — in abscondito — que passaremos a ter vida de oração, porque o recolhimento, como dissemos, já é, em si, uma forma de orar, mesmo que ainda não nos tenhamos dirigido Àquele em cuja presença nos encontramos.

Bom, por hoje é só! Fiquem com Deus e até a próxima!

Fonte: Padre Paulo Ricardo

11

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: