Uma oração feita com distração tem valor?

“Rezar sempre e sem desanimar!” Mesmo que, muitas vezes, percamos a concentração. Também os santos se distraíam às vezes, enquanto falavam com Deus, e nem por isso suas preces deixavam de subir aos céus. Descubra se tem valor uma oração feita com distração e como podemos melhorar nossos momentos de intimidade com o Senhor.

Santa Teresa d’Ávila em seu livro chamado “Castelo Interior”, também conhecido como “As Sete Moradas”, faz um juízo muito severo acerca da oração feita com distração. Ela diz:

“Não chamo oração aquilo em que não se percebe com quem se fala e o que se pede. Não se trata de oração”.

Santo Tomás de Aquino, por sua vez, parece estar em frontal contradição com Santa Teresa. Respondendo à pergunta se “é necessário que a oração seja atenta”, ele diz o seguinte:

“Quanto ao décimo terceiro, assim se procede: parece que É necessário que a oração seja atenta. […] Em sentido contrário, os santos às vezes também distraíam-se na oração, como atesta o Salmista: “O meu coração me abandonou”.” (cf. Suma Teológica II-II, q. 83, a. 13) Em latim, cor meum dereliquit me.

Então, aparentemente existe uma incompatibilidade entre as opiniões desses dois grandes santos. Qual deles tem razão? Ambos. E é o próprio Santo Tomás quem explica:

“Respondo: Essa questão é importante principalmente quando se aborda o tema da oração vocal. A necessidade da atenção na oração vocal é entendida de duas maneiras: Na primeira, como é necessário aquilo com que se alcança melhor o fim. Segundo esta consideração, a atenção é absolutamente necessária. 

Na segunda maneira, considera-se necessário aquilo sem o qual a ação não conseguirá os seus efeitos. Os efeitos da oração são três: o primeiro efeito é comum a todos os atos informados pela caridade, que, por isso, são meritórios. Para ter este efeito não será necessário que a atenção seja diuturna, porque o impulso da intenção inicial, com a qual se vai orar, torna meritória toda a oração, como acontece aos outros atos meritórios. – O segundo efeito, a impetração, que lhe é próprio. Para se conseguir este efeito também será suficiente o impulso da primeira intenção, a que Deus atenta em primeiro lugar. Assim, Gregório a isto se refere nestes termos: “Deus não atende a oração de quem não pretende orar.” – O terceiro efeito da oração é aquele que é contínuo, a saber, uma certa refeição espiritual da mente. A atenção é necessariamente exigida para esta oração. Escreve a respeito a primeira Carta aos Coríntios: ‘Se oro só pela língua, minha mente será infrutífera’.”

Assim, segundo o Aquinate, primeiramente a oração tem um valor meritório, pois a pessoa ama a Deus rezando. Em segundo lugar, ela pode ter um valor de intercessão, ou seja, de alcançar graça diante de Deus, também chamado de impetratório. E, em terceiro lugar, a oração tem o valor de santificação ou de refeição da alma.

Levando em conta esses três níveis de valoração, Santo Tomás diz que nos dois primeiros pode haver alguma distração que, mesmo assim, a oração terá algum valor. Porém no terceiro nível é absolutamente necessário que a pessoa esteja atenta à ela.

Nesse sentido, Santo Tomás e Santa Teresa estão em pleno acordo. É justamente sobre a “refeição da alma” que Santa Teresa fala em seu livro. De como é que se deve fazer para adentrar cada vez mais nas moradas da alma, alimentando-se e crescendo espiritualmente. Mas, então, que valor existe uma oração quando ela é feita distraidamente? Ela tem valor meritório se é feita com amor, porém, não é necessário que seja feita por amor o tempo todo, basta a intenção inicial, diz Santo Tomás. A luta contra as distrações é bastante meritória.

O segundo valor, chamado impetratório, também tem valor, pois a pessoa pode ter se distraído, mas Deus não se distraiu dela. A oração com distração não produz o crescimento necessário para fazer com que o indivíduo passe de morada em morada no seu castelo interior, portanto, é preciso lutar contra ela, concentrando-se para que haja realmente uma refeição espiritual.

Importante é continuar a rezar, mesmo distraído, combatendo a distração, colocando toda a sua atenção em Deus e em seu amor.

Por hoje é só, fiquem com Deus e até a próxima!

 

 

 

Fonte: Padre Paulo Ricardo

11

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: